Marco Pessoa

Research Scientist (Embrapa).

Genomics, plant genetic resources, and breeding.

contact: marco [at] marcopessoa.com

<< previous post

Cuzco e Machu Picchu - links úteis para organizar sua viagem

Como planejamos nossa viagem em pouquíssimo tempo com a ajuda da internet.

Em agosto do ano passado viajamos para o Peru, saindo de Brasília. Nosso objetivo era conhecer Cuzco e Machu Picchu, e algumas cidades do Vale Sagrado.

A viagem foi planejada em um mês, depois da sugestão de uma colega de trabalho. Imaginava que a única forma de chegar a Machu Picchu era através da Trilha Inca. Foi essa colega que me esclareceu que era possível chegar lá também por trem. Nesse período curto de planejamento e tomada de decisão, o fato de não precisar me preocupar com toda a preparação para percorrer a trilha, e o excelente preço das passagens aéreas, tornaram a possibilidade da viagem bem mais atraente.

Felizmente, a internet tinha praticamente todos os caminhos para organizar a viagem da forma mais tranquila possível.

Já decididos a encarar o desafio, começamos com as passagens. Utilizamos o Decolar.com, numa experiência sem problemas nem imprevistos.

Os meses mais indicados para visitar Machu Picchu são julho e agosto, quando a possibilidade de chuva é bem menor. São também os meses de férias de verão no hemisfério norte, e a região fica abarrotada de turistas da Europa e EUA. Viajamos na alta temporada, mas ainda assim, considero os preços das passagens razoáveis para uma viagem internacional. O voo Brasília-Lima-Cuzco, ida e volta, saiu por R$ 839,36 por pessoa, já incluindo taxas, pela LAN.

Um parêntese: já no avião, lendo o jornal, vi uma pequena notícia falando que exatamente o voo em que estávamos, Brasília-Lima da LAN, deixaria de ser oferecido em novembro. Creio que a TACA ainda ofereça esse voo saindo de Brasília.

O trecho de trem que chega a Aguas Calientes, vila no sopé da montanha onde está Machu Picchu, também é vendido pela internet, no site da empresa Peru Rail. Existem opções saindo de Cuzco, Ollantaytambo e Urubamba. A opção de saída de Cuzco é confortável, mas é mais cara, com menos horários de saída, e os lugares se esgotam bem rápido. Escolhemos sair de Ollantaytambo, pequena cidade no meio do caminho que vale bastante a visita. É uma vila de planejamento urbano inca, com ruínas fantásticas nas encostas das montanhas que cercam a cidade.

Existem três opções de trens, começando com o mais barato (Expedition), o intermediário (Vistadome) e o top de linha (Hiram Bingham). Fomos de Expedition, e voltamos de Vistadome, mas sinceramente, não senti muita diferença que justificasse pagar a mais pelo Vistadome. O Expedition já é padrão pra gringo viajante. Os preços variam bastante, até para um mesmo tipo de trem, dependendo do horário. No nosso caso, R$ 143,10 por pessoa, ida e volta.

A maioria das pessoas que optam por chegar a MP de trem fazem isso de duas formas:

  1. Chegam a Aguas Calientes no fim da tarde ou à noite, pernoitam na vila, visitam Machu Picchu na manhã seguinte, e voltam.

  2. Chegam a Aguas Calientes de manhã, visitam Machu Picchu, e voltam no mesmo dia.

Como não tínhamos pressa, fizemos diferente: pernoitamos duas noites em Aguas Calientes. Muita gente vai dizer que é perda de tempo e que lá não tem nada pra fazer. Mas preferimos descansar bastante depois do dia inteiro em Machu Picchu, antes de encarar uma viagem de trem até Ollantaytambo e outra de carro até Cuzco.

A partir do ano passado os ingressos para Machu Picchu também passaram a ser vendidos pela internet, com uma quantidade limitada de pessoas que podem visitar as ruínas em um determinado dia. O site do governo peruano vende os “boletos eletrónicos” para Machu Picchu e Huayna Picchu, e você define a data da visita na hora da compra. O pagamento é com cartões do sistema Verified by Visa. Na época da viagem, li que no Brasil o único banco com cartão Visa nesse sistema era o do Bradesco. Também foi uma compra tranquila, sem maiores contratempos. Você imprime os bilhetes com seu nome e número de passaporte e os apresenta na entrada do parque. O ingresso saiu por R$ 90,53.

O TripAdvisor ajudou na hora de escolher o local de hospedagem. Essa foi, de longe, a decisão mais difícil de tomar. Acho complicado escolher hotel a partir de site na internet, e mais ainda a partir da opinião de pessoas bastante diferentes umas das outras. Depois de muita procura, escolhemos o Hostal Pension Alemana, que fica no bairro de San Blas. Era um dos melhores avaliados no TripAdvisor, e praticamente ninguém havia reclamado de algo que me preocupava muito: chuveiro com água quente. O custo final foi de US$ 420,00 por 7 diárias em um quarto de casal. Em Aguas Calientes pagamos mais US$ 80,00 por duas diárias em quarto de casal. Hospedagem lá ou é muito simples e cara, ou muito alto nível e muito cara. Acho que acertamos na escolha, ficamos no Terrazas del Inca. Tivemos alguns problemas com água quente, mas conversando com a equipe tudo foi sanado relativamente rápido. O pessoal nos recebeu muito bem.

Em Aguas Calientes, mais um gasto é a passagem de ônibus entre a vila e Machu Picchu, algumas boas centenas de metros acima da montanha. Uma empresa de micro-ônibus faz o trajeto de ida e volta o dia inteiro. O preço é US$ 15,50 por pessoa, ida e volta.

Outro site com muita informação útil - depois de uma boa filtrada - é o mochileiros.com. Eles tem uma página específica com perguntas e respostas sobre Machu Picchu.

Gosto de um bom guia de viagem, e sou fiel aos guias do Lonely Planet. Outro dia em uma livraria vi que alguns deles começaram a ser editados em português. No site da editora você pode comprar capítulos específicos em PDF. Usei bastante o capítulo sobre Cuzco e Vale Sagrado do guia sobre o Peru.

No total, aproximadamente R$ 2200,00 entre passagens de avião, trem, ônibus, e ingressos para um casal, e US$ 500,00 em hospedagem. Outro porém: pra não perder a reserva do quarto em Cuzco, pagamos por duas diárias na Pension Alemana enquanto estávamos em Aguas Calientes. Mas é perfeitamente possível fazer a reserva dividida em duas, caso saia de Cuzco por uma ou duas noites e volte. Existem opções mais baratas de hospedagem, e mais caras também, dá pra adequar bem ao seu bolso.

Em outros posts tento resumir dicas pra cada lugar que visitamos. Enquanto isso vocês podem conferir fotos da viagem aqui e aqui.

blog comments powered by Disqus